SENSO CRÍTICO E O ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO

  • Marcos Conforti

Resumo

O presente artigo traz uma reflexão sobre a formação e desenvolvimento do senso crítico em estudantes universitários. Primeiramente, analisa-se a visão marxista levando-se em conta o processo dialético existente na construção, produção e reprodução do conhecimento. Considera-se, também, o conceito de práxis como atividade transformadora, consciente e intencionalmente realizada e indaga-se: como, a partir de uma realidade notadamente reificada pela ideologia dominante, pode-se observar em alunos universitários, em suas totalidades, na condição de seres sociais, históricos e dotados de uma subjetividade, uma atitude que se aproxime da práxis? A seguir, no âmbito das teorias de Psicologia Social e Organizacional, considera-se algumas categorias do psiquismo que interagem social e historicamente no mundo objetivo e são responsáveis pela aquisição de uma atitude crítica: atividade, personalidade, consciência, afetividade e identidade social, que constituem a subjetividade humana. Discute-se, a partir dessa subjetividade e suas categorias, a imbricação nos processos de apropriação da realidade realizada pelo aluno universitário numa situação de aprendizagem. Em termos psicológicos, da consciência de sua identidade, de sua individualidade? Até que ponto o professor e Universidade colaboram para esse desenvolvimento nos alunos?

 

Palavras-chave: senso crítico; cidadania; aprendizagem; identidade; relação professor-aluno; reificação; construção de conhecimento.

Publicado
2009-03-19
Como Citar
CONFORTI, Marcos. SENSO CRÍTICO E O ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO. Revista Em Tempo, [S.l.], v. 3, mar. 2009. ISSN 1984-7858. Disponível em: <https://revista.univem.edu.br/emtempo/article/view/108>. Acesso em: 04 dec. 2022.
Seção
Artigos Seção Geral